5 blogs para ler nas férias

Estou de férias até o final desta semana, e aproveitei para colocar as leituras em dia. Não só de livros, mas também de blogs. Então resolvi compartilhar alguns links a quem interessar possa.

Colorida Vida. Blog pessoal. A autora, a Ana, tem um jeito muito simpático de se expressar. Fala sobre as peculiaridades de viver com a família no Canadá, sendo brasileira; das viagens dela, com fotos ótimas; dos progressos no Projeto 101 coisas em 101 dias.

Homens da Casa. O Eduardo Mendes, após uma mudança de casa, e após algumas pesquisas, ao ver o monopólio das mulheres sobre os blogs de decoração, resolveu iniciar o próprio blog a partir de um diário das mudanças que fez na casa dele. Hoje o trabalho expandiu e traz muitos projetos legais, todos realizáveis, como o autor promete.

China na Minha Vida. Traz as percepções do cotidiano de uma brasileira, a Cristine Marote, vivendo na China. É de abrir a mente.

Pitadinha. Um blog de receitas, feito por Juliana Steli, uma amazonense que mora em Recife. Para mim, que sou mineira, traz receitas bem diferentes do meu dia-a-dia. Uma forma de conhecer os brasis dentro do Brasil.

Um Ano sem Zara. Sobre moda do dia a dia. Surgiu de um projeto da autora, Joanna Moura, de passar um ano inteiro sem comprar nenhuma peça de roupa ou acessório.

Espero que goste deles tanto quanto eu. Já conhecia algum? É fã de algum blog e quer indicá-lo? Faça isso nos comentários, por favor.

Até mais!

Frase de Quinta? #18

“As lágrimas são uma coisa curiosa, pois, assim como os terremotos e os camelôs, podem surgir em qualquer momento, sem nenhum aviso e sem um bom motivo.”

Lemony Snicket. (Desventuras em Série. v. 8. O lago das sanguessugas. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.)

3-o-lago-das-sanguessugas

***

Estou de férias, por isso estou me dando ao luxo de ler “Desventuras em Série” de forma bem voraz, leia-se um livro atrás do outro (são 13 no total). Esta série se disfarça de livro infanto-juvenil, mas pode entreter qualquer adulto com imaginação também. Passa-se num mundo próprio, com regras próprias, traz definições personalizadas de palavras, de acordo com o contexto; tem ironia, humor, suspense, mistério. É realmente viciante.

CONASEC - Conferência Nacional do Secretariado

Conferência Nacional do Secretariado – CONASEC 2014

Um evento bem feito, bem preparado. Esta foi a impressão que tive da CONASEC 2013, pelo que pude acompanhar, mesmo sem ter participado do evento, através do depoimento da Andréa Baggio e das fotos e vídeos posteriores ao evento.

“Preciso destacar a organização e o primor com o qual fomos recebidas, fomos agraciados com um material promocional de qualidade e de utilidade que, em muitos eventos não passam de “folhetos”, mas neste caso, até isto foi muito bem pensado.” (Andréa)

fotog_27

fotog_06

Material de apoio do evento

Para a edição 2014 do evento, as expectativas são as melhores. Além da organização, que já se estabeleceu como marca, os palestrantes confirmados são excelentes.

Destaco a participação de Pasquale Cipro Neto, com a palestra “A importância da norma culta no mundo corporativo”.

pasquale

Pasquale Cipro Neto

Outro fato que me chamou a atenção foi a expressiva participação de profissionais de secretariado, seja oferecendo palestras ou participando de mesas-redondas. Porque, posso estar enganada, mas tenho a impressão de que muitos eventos valorizam mais o que o profissional pode aprender com experts de outras áreas do que com seus pares.

Valerá a pena!

Fotos: Organização do evento

Para mais informações: 

www.conasec.com.br ou (11) 5111-8222

(Este post é um publieditorial.)

Secretária executiva por um dia

Inspirada neste ótimo texto da Lucy Kellaway, colunista do Financial Times e do Valor (Tente explicar o seu trabalho a uma criança de dez anos), no qual ela propõe que executivos saibam explicar seu trabalho a crianças de 10 anos, e também porque numa conversa apresentei o meu dia-a-dia profissional a um adolescente há uns dias, resolvi escrever este texto. Para trazer um “sabor” de realidade para minha narrativa, relato um dia fictício de trabalho com base em atividades que já exerci ou exerço. Não se trata da rotina atual, pois não a posso detalhar, por compromissos éticos.

Neste dia, chego ao trabalho, verifico os e-mails, respondo as mensagens que são dos meus chefes (fiz uma marcação especial para as mensagens que recebo deles). Coloco as mensagens mais complexas em uma pasta separada, para responder ao longo do dia. Fico com a caixa de mensagens aberta ao longo do dia, mas só respondo na hora os e-mails dos chefes (uso esse termo para simplificar, substitua pelo cargo que achar mais moderno e parte da sua realidade: Diretores, Executivos, Presidentes, etc.). Eu já tentei orientá-los a lidar com e-mail apenas algumas vezes por dia, mas um deles (são dois) fica o dia inteiro com a caixa de mensagens aberta e comunica muitas decisões e afazeres por e-mail, então me obriga a ficar atenta a isso também. Sem problemas, pois lido bem com interrupções.

Uso a primeira parte da manhã, para fazer tarefas que exigem mais concentração. Aproveito para “passar a limpo” anotações de uma reunião que aconteceu no dia anterior, ou para escrever um relatório ou uma correspondência mais difícil, complexa. Na empresa eles não exigem que sejam feitas atas, formais e oficiais das reuniões, mas tenho tentado lançar uma cultura de registrar o que é dito nas reuniões gerais (com a equipe toda), para que o andamento dos projetos fique mais “rastreável”, e no futuro possamos saber quem ficou responsável por qual ação. Depois envio o registro por e-mail para todos os que participaram da reunião.

No meio da manhã faço o intervalo do café, que dura quinze minutos. Nesse horário tenho conversas informais, a maioria não relacionada a trabalho, mas posso tirar uma rápida dúvida de trabalho com um colega. Depois do café aproveito para passar na sala de uma colega para tirar algumas dúvidas sobre um texto de campanha publicitária que está para ser publicada em breve, porque um chefe tinha me pedido para finalizar o texto, mas fiquei na dúvida se uma expressão estava adequada com relação à parte técnica.

Depois, visito a sala de cada chefe para que me passe (delegue) alguns afazeres e que eu relate o andamento de algumas tarefas desempenhadas por mim e pela estagiária que coordeno. Em seguida, faço anotações sobre providências urgentes que surgiram a partir dessa reunião, e saio para o almoço.

 Após o almoço, converso com a estagiária, para sanar algumas dúvidas que ele tinha me relatado por e-mail no dia anterior, retorno algumas ligações telefônicas (as pessoas que ligaram tinham deixado recado para os chefes e, após ter as orientações deles, retorno as ligações com as respostas que construímos juntos). Respondo alguns e-mails mais complexos, que meus colegas me encaminharam, tenho uma pequena reunião, também com colegas, sobre um plano de treinamento da equipe para o próximo ano. Ao final do dia listo as prioridades para o dia seguinte e vou para casa com a sensação de dever cumprido.

E existem os dias atípicos, o quais não sei se conseguiria descrever, que trato apenas de responder às urgências que surgem. Esses parecem menos produtivos, mas me permitem tirar lições para que outros dias assim sejam mais raros.

Além disso, poderia falar da lida com as agendas de cada chefe e o atendimento telefônico e pessoal, a quem necessita falar com eles, entre outras atividades; no entanto para descrever um dia só, acho que já ficou bem cheio de atividades.

Acredito que não me fiz entender a uma criança de dez anos, a quem uma visão geral bastaria, mas a um(a) adolescente, pode ser. E você, já fez o exercício de descrever um dia de trabalho seu?

Revista Gestão e Secretariado

“A Revista Gestão e Secretariado – GESEC é uma publicação de caráter Técnico e Científico que visa ampliar a discussão e disseminação da temática de secretariado e áreas correlatas, resultante de pesquisas acadêmicas e profissionais.” Como está dito no Editorial da revista.

A edição atual (Vol. 5 Nº 1 – 2014) está recheada de autores que conheço. Conto com três que estudaram comigo na graduação, dois que cursaram secretariado executivo na Universidade Federal de Viçosa, embora não tenham sido meus contemporâneos.

Com tanta gente boa de serviço sendo publicada ao mesmo tempo, logo que bati os olhos nessa edição, fiz uma anotação mental: “Divulgar a revista no blog”. Mas, não divulguei logo, e me deparei com a postagem da Eliane Wamser, no A Secretária Que Faz. Daí, dei um pulo da cadeira: “É, mesmo!”.

Então, reitero o que ela disse:

“Faço um convite para você, além de ler artigos publicados na Revista, também enviar um artigo de sua autoria para ser publicado.” (Eliane Wamser)

 Para complementar, diante de tantos artigos para destacar, escolho um:

Fatores de Atratividade: Abordagem Sedutora para Conquistar Ingressos no Curso de Secretariado Executivo (Ana Karina Reis, Ane Grasiele Gomes de Freitas).

Resumo:  A profissão de Secretariado Executivo tem ganhado destaque no Brasil e no mundo. As Instituições de Ensino Superior – IES precisam estar preparadas para acompanhar as tendências em virtude do crescimento e contínuo reconhecimento da profissão secretarial, com intuito de capacitar e qualificar os alunos para desempenharem suas funções no mercado de trabalho. Partindo do pressuposto de que estratégias de comunicação são meios de persuadir o público-alvo e determinar atitudes, a pesquisa qualitativa se baseou em entrevistas em profundidade com graduandos e análise de conteúdo dos discursos para identificar os fatores de atratividade do curso de Secretariado Executivo Trilíngue da Universidade Federal de Viçosa, MG. Como contribuições, a discussão analítica suportou o delineamento de características importantes para subsidiar a comunicação de marketing da coordenação para atrair estudantes para o curso, por meio da compreensão da comunicação como instrumento de divulgação das atividades e dos desafios para os estudantes e os profissionais da área.

Palavras-chave:  Secretariado executivo; Fatores de atratividade; Comunicação de marketing; Graduação.

 Este me chamou a atenção porque marketing não é uma área com a qual tenho muito afinidade, então é bom mudar de ares de vez em quando, escolher leituras que me tirem da zona de conforto.

Boa leitura!