E a vida, como está?

Como estão seus projetos pessoais? Será que você se dedica a eles como o faz quanto aos projetos do trabalho formal? É algo a se pensar, afinal, há muitos pensadores que nos dizem que devemos encarar como trabalho toda atividade útil que fazemos, seja na empresa, na ONG, na cozinha de casa. Ou seja, devemos levar a sério, refletir, investir conscientemente, em todas as frentes de atuação. E o equilíbrio entre todas as áreas da vida é importante para o nosso bem-estar.

Eu tenho que me policiar muito para não negligenciar esse aspecto da minha vida. Afinal, depois de um dia inteiro de projetos, reuniões, ligações telefônicas, anotações, interações, de cada 5 dias da semana, 3 eu gostaria de simplesmente relaxar em frente à televisão. Mas não funciona assim. Se eu simplesmente deixar “a vida me levar”, posso parar em uma situação que não goste muito. Tanto, que faz mais de ano que não vejo televisão de forma sistemática. Pasmem: não tenho televisão em casa. Claro, que parte do papel da televisão é substituído pelo computador: assisto filmes, documentários, vídeos curtos, nele. Mas assim, tenho mais controle da atividade, fico mais consciente de que fiz a escolha de estar ali assistindo algo. Na época em que eu tinha televisão, por mais que eu chegasse em casa sabendo das tarefas que teria de fazer para cuidar da casa ou do meu bem-estar, algo na TV me chamava. É muito fácil só ligar um botão e flanar, perder-me. Mesmo que eu dissesse a mim mesma: vou relaxar aqui por 15 minutos e depois vou cuidar da vida, não adiantava. Passavam-se mais de hora e eu me dava conta de que todos os planos que tinha feito para a noite se escafederam da mente. Entrava no ritmo de tomar banho e me preparar para dormir e para o dia seguinte.

É incrível como a minha vida mudou quando, além de ficar sem televisão, coloquei em prática outros hábitos: exercícios físicos regularmente, reeducação alimentar. Tive, também, mais tempo para o dito lazer produtivo: ler livros de ficção, visitar amigos e familiares, etc.

Esse processo todo de mudança levou anos, e contá-lo todo levaria este texto a ficar muito longo e a fugir do assunto deste blog. O que quero é incentivar você a dedicar-se aos projetos pessoais. Mesmo que só possa fazer isto durante meia hora por dia, quando esse tempo for somado ao longo de anos, você colherá frutos.

Um recurso que nos incentiva nesse sentido é o Desafio 101 Coisas em 1001 Dias ou Day Zero Project. Uma ferramenta muito usada por coaches, para incentivar o equilíbrio em todas as áreas, é a Roda da Vida.

Roda da Vida

Roda da Vida

Vale a pena, também, ler o texto Elabore um plano de vida, da Thais, do Blog Vida Organizada.

E você? Tem investido nos seus projetos pessoais? Conte-me nos Comentários.

Top 10 do blog ou “Retrospectiva Fora de Época”

A lista está na ordem decrescente e abrange textos mais antigos, não apenas os publicados em 2014.  Agradeço a você pela companhia e atenção aqui.Estou planejando o conteúdo para este final de 2014 e 2015 e toda sugestão é bem-vinda. Registre nos Comentários ou me envie pelo formulário “Contato”, por favor.

Linkagem: livros, aposentadoria…

Nesta seção eu compartilho aqui alguns textos que li em blogs e sites, e gostei. Retomo-a depois de um tempo de “silêncio”.

- Eu tenho feito o que sugere a Terapia contra o vício da CCL (Compra Compulsiva de Livros), do Juan Pablo Villalobos. Ultimamente só tenho comprado livro que já li há tempos e quero reler.

- A resenha do livro Adeus, Aposentadoria, feita pela Thais, do Vida Organizada me levou a encontrar a coluna do Gustavo Cerbasi na revista Época. Vou ler a coluna sempre, quando passar por lá para acompanhar a do Danilo Venticinque.

E um agradecimento rápido: o número de seguidores no blog tem crescido ultimamente. Obrigada, pessoal. Espero fazer jus ao interesse e confiança de vocês. Estou tão satisfeita, que se pudesse diria obrigada em 50 línguas diferentes. Vou dar uma olhada nessa lista (HOW TO SAY THANK YOU IN 50 LANGUAGES) de vez em quando, para ver se aprendo em pelo menos umas dez!

Boa semana!

Secretariado de A a Z*

No dia 30 de setembro comemoramos no Brasil o Dia do Profissional de Secretariado. Em comemoração, resolvi fazer uma linkagem especial: Secretariado de A a Z.

Caso queira sugerir outras palavras para cada letra, fique à vontade, afinal não pretendo esgotar as possibilidades de palavras.

A – Arquivo

B – O profissional de secretariado e a burocracia

C – Código de ética

D – Discrição. O texto “Com quais características se faz um profissional de Secretariado?” enfatizou essa característica.

E – Engenharia social

F – Férias

G – Guia-fora ou comprovante de retirada de documentos de arquivo. (A publicar)

H - História do Secretariado

L – Lei de Regulamentação

M – A fórmula da Motivação

N – Networking. Tema abordado neste texto.

O – Organização

P- Proatividade (A publicar)

Q – Que, quem, quando…

R – Redação

S – Sigilo (A publicar)

T – Trabalho (este tema permeia quase todos os textos deste blog, certo?)

U – Uniformidade no atendimento, no tratamento dispensado aos outros. (A publicar)

V – Verdade (a publicar)

X e Y, Teoria. Este tema foi abordado no texto Link Útil – Instituto Jetro

Z – Zelo (A publicar)

Nota

*Por falha técnica e humana, este texto, que estava agendado para o dia 30.09.2014, simplesmente não foi publicado. Peço desculpas. Mas, o cumprimento é sempre bem vindo: Parabéns a todos nós, profissionais de secretariado, pela dedicação de sempre!

Perfeccionismo

Retomando o texto no qual mencionei que escreveria sobre algo que perdi, que foi uma das tarefas sugeridas pelo Projeto Writing 101 de junho de 2014 do WordPress, publico esta rápida nota.

Olhando para trás, vejo que perdi uma característica, deixei de ser perfeccionista, ou pelo menos tentei controlar os desvios do perfeccionismo. Sim, porque este é bom até o ponto em que se busca a excelência, que entendo que é fazer as coisas da melhor forma, dentro da minha capacidade e das condições oferecidas (tempo, pressão, interrupções etc.). A partir do ponto em que se busca a perfeição pela perfeição, acabam-se alongando discussões em torno de detalhes não tão importantes, perdendo prazos por preciosismo.

Hoje em dia busco o equilíbrio, entre os dois dizeres: “Tudo que merece ser feito, merece ser bem feito” e “Feito é melhor do que perfeito”. Não digo que já estou nesse equilíbrio almejado, mas é o meu alvo.